Bomba: Número de Pastores que “estão se suicidando” aumenta na maior nação evangélica do mundo

COMPARTILHE

O Brasil está na oitava posição no número de pessoas que se suicidam no mundo, segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo novos estudos, nos últimos 10 anos o número só fez aumentar, desde 1980 a taxa de suicídios disparou num aumento de 60%.

Entre os evangélicos não há um estudo detalhado e profundo sobre essa questão. Nos EUA, maior nação evangélica do mundo, um estudo feito em 2015 mostrou que:

44% dos evangélicos pensam que o suicídio é uma atitude egoísta, 32% dizem que eles vão para o inferno.

Os pastores evangélicos não estão imunes à isso, segundo Chuck Hannaford, psicólogo e clínico que trabalha na Convenção Batista do Sul, diz que identificou um aumento na taxa de suicídio entre pastores durante seus 30 anos de trabalho.

O ruim é que ele diz que esse número só tende a aumentar.

Veja o que ele disse:

“Ser pastor é um trabalho perigoso, especialmente em certos círculos evangélicos onde há uma orientação teológica específica, nalgumas você encontra pastores que veem doenças como a depressão ou processos de pensamento negativos como problemas espirituais.”

Segundo outra pesquisa (LifeWay), 48% dos evangélicos acreditam que a oração e o estudo da Bíblia são o bastante para alguém superar uma doença mental.

Em contrapartida, o Instituto Schaeffer, aponta que “35% dos pastores lutam constantemente contra a depressão, 43% se dizem estressados, 34% sentem-se “sempre desmotivados”, 24% acham que seu trabalho tem efeito negativo na família e 58% dizem não ter amigos bons e verdadeiros.

50% lidam com algum problema de saúde e mais da metade (52%) sentem-se incapazes de satisfazer as expectativas da igreja.

Para Hannaford, “Os pastores são muito duros consigo mesmos, muitas vezes julgando-se por pecados de omissão.

Mas eles não consideram os efeitos da queda no mundo, afinal a Queda de Adão comprometeu tudo, incluindo o cérebro”.

Leia a matéria na íntegra AQUI

COMPARTILHE